Folha do ES
Sáb, 10 de Dez
32 ANOS DA FOLHA DO ES

.Home     Colunistas     Leandro Chades Bettecher

O samba que mora em mim


Leandro Chades Bettecher

Leandro Chades Bettecher

Leandro Chades Bettecher é cantor, violonista, poeta, romancista, jornalista e compositor. Formado em Letras Literatura e um dos lideres da banda Maloca dos Braga.

Ver todos os artigos

  04.junho.2022

Na capoeira aprendi a desenvolver minha musicalidade, o primeiro instrumento que toquei e cantei foi o pandeiro, depois atabaque e como consequência o berimbau. Sempre participava da música e do axé da roda de capoeira, meu apelido é Zem. Sim... Na capoeira você sempre terá um apelido, é tradição. Depois peguei um violão e não parei mais de tocar por aí...

Era impressionante como sempre era chamado para cantar nas rodas que aconteciam na cidade ou até em outras cidades como Anchieta, onde tem o grande Mestre Negão, que pertence ao mesmo grupo de capoeira que fazia parte.

E para quem não sabe, existe uma vertente na capoeira que é o samba de roda, pois é, antes do samba canção e o samba enredo, já existia o samba de roda. As pessoas geralmente não sabem disso, mas é o primeiro indício de samba, depois veio todo o restante.

Fiz essa menção, para uma reflexão a respeito desse estilo musical ao qual tenho dentro de mim, embora muitos falem que eu tenho cara de rock and roll. Mas sou sambista, inclusive escrevo alguns sambas há anos, e continuo sempre fazendo uns sambas por aí.

Outra coisa que vale apena citar, e jamais deixaria de fazer isso. O samba vem dos negros e também dos portugueses, afinal de contas a melancolia não é exclusividade de ninguém, falar de amor era algo que os lusos faziam muito bem, sem contar que eles ensinaram os negros a tocar os instrumentos de cordas. E também trouxeram da Europa uma cultura musical clássica e principalmente o Fado (estilo musical português. Geralmente é cantado por uma só pessoa acompanhado por uma guitarra clássica e uma guitarra portuguesa).

Com isso através da malandragem e da melancolia surgiu o samba. Ah esse ritmo sem vergonha que amo demais da conta. Como é bom tocar e ver a mulher sambar, remexendo as cadeiras, vendo a alegria estampada em seu olhar, é algo que só quem já fez e reparou sabe como é. É um sorriso no rosto e outro nos olhos, é a alegria de ser e viver se esquecendo dos problemas mesmo que por alguns minutos, entretanto, é exatamente esse momento que faz o povo feliz.

Esse samba que mora em mim esta aí para todos, afinal de contas quem não gosta de samba bom sujeito não é...

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.