Folha do ES
Sex, 9 de Dez
32 ANOS DA FOLHA DO ES

Home   Política     Brasil


Ex- Governador desmaia na cadeia ao saber de pedido de prisão de filho

Ex- Governador desmaia na cadeia ao saber de pedido de prisão de filho

Ex-governador preso no Rio de Janeiro passou mal e foi atendido pela unidade de saúde de onde está retido.

  Por redação - HF

  23.novembro.2022 às 13:33

Nesta quarta-feira (23), o ex-governador Sérgio Cabral passou mal e desmaiou a cadeia ao receber a notícia do pedido de prisão do filho. José Eduardo Neves Cabral é um dos procurados da Operação Smoke Free , deflagrada hoje pela Polícia Federal (PF) e pelo Ministério Público Federal (MPF) contra "uma organização criminosa armada e transnacional especializada em comércio ilegal de cigarros".

Sérgio Cabral está preso no Batalhão Especial Prisional (BEP) , no Rio de Janeiro , e foi atendido na enfermaria da unidade na manhã de hoje, de acordo com o outro filho Marco Antônio Cabral e a Polícia Militar.

Até o momento, 13 pessoas que são alvo da operação foram presas, mas o filho do ex-governador ainda não foi encontrado. Entre os alvos estão PMs, bombeiros e um policial federal. Adilson Coutinho Oliveira Filho, conhecido como Adilsinho, é procurado desde a Operação Fumus, de junho de 2021, também contra o comércio irregular de cigarros.

De acordo com a PF, o grupo investigado teria causado prejuízos de cerca de R$ 2 bilhões à União. Na operação, a polícia conta com o apoio da US Homeland Security Investigations, a Agência de Investigações de Segurança Interna dos Estados Unidos.

Como parte da ação, a 3ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro expediu 50 mandados de busca e apreensão e determinou bloqueio, sequestro e apreensão de bens — como imóveis, carros de luxo, dinheiro em espécie e criptomoedas — no valor de R$ 300 milhões.

A investigação do caso começou em 2020 e, segundo a PF , desde 2019 "o grupo criminoso atuava reiteradamente, com falsificação ou não emissão de notas fiscais, depositava, transportava e comercializava cigarros oriundos de crime em territórios dominados por outras organizações criminosas, como facções e milícias".

Como consequência disso, a corporação informou que havia lavagem de dinheiro dos recursos obtidos de forma ilegal, além de remeter altas quantias de dinheiro ao exterior de forma irregular.

Conforme os investigadores, a quadrilha também contava com uma "célula de serviço paralelo de segurança", coordenada por um policial federal e integrada por policiais militares e bombeiros.

"O grupo econômico que suporta a organização criminosa investigada é devedor contumaz da União e possui débito tributário de aproximadamente R$ 2 bilhões, segundo informado pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional", afirmou a PF .

Os integrantes do grupo podem responder pela prática de crimes de sonegação fiscal, duplicata simulada, receptação qualificada, corrupção ativa e passiva, lavagem de capital e evasão de divisas. Caso sejam condenados, podem pegar 66 anos de prisão.


Fonte: IG Mail

Comentários Facebook


Facebook


Newsletter


Inscreva-se no boletim informativo da Folha do ES para obter suas atualizações e novidades semanais diretamente em seu e-mail.

© 2022 Folha do ES. Todos os direitos reservados.